De peito aberto, compartilho meu relato de amamentação celebrando a #SMAM – Semana Mundial do Aleitamento Materno. Escrevi em dois momentos distintos: a primeira parte quando estava prestes a completar 6 meses de amamentação exclusiva e a outra parte quando havia recém completado 1 ano de amamentação em livre demanda (ou praticamente exclusiva, já que Luana não é das mais comilonas – ao menos até agora!).

A todas as mulheres que amamentam ou amamentaram seus filhos (por alguns meses, ou por anos): minha total admiração.

E ela mama só no peito?” – perguntam.

Sim, só no peito” – respondo sorrindo, com o peito estufado.

Dizem que quando a mulher tem um parto difícil (e algum é fácil?), o pós parto é mais tranquilo. Há controvérsias… Já se vão quase seis meses e ainda não vivi um caso de amor com a amamentação. Nem sei se vou viver. Esse romance só vi nas fotos – até mesmo nas minhas!

1º mês: ainda me recuperando emocional e fisicamente do parto, amamento de olho no relógio. Quanto tempo? Será o suficiente? Quantas horas entre uma mamada e outra? Precisamos “bater a meta” das 3/3 horas? Leite tem. Pega tá boa (aliás, isso nunca foi um problema, desde a primeira hora de vida). Anoto tudo: que horas começou, que horas terminou, se foi no peito direito, no esquerdo… Tanta novidade na cabeça que se não anotasse meu nome não iria saber quem sou! Descobri que produzo muito leite. O corpo ainda está se acostumando. Peito empedra. Aprendo a ordenhar, a massagear. Dor. Só mamar salva. Coragem, mamãe! Não chora que é pior.

2º mês: Ainda presa nas anotações, prometo para mim mesma que vou anotar só até o terceiro mês. O tão esperado terceiro mês… Dizem que quando chegamos nele, tudo melhora. Mas por enquanto seguimos no segundo, com pontos brancos no mamilo. Que será? Google no meio da madrugada. Ductos bloqueados. No peito esquerdo, depois no direito, no esquerdo de novo e no direito… Cada mamada uma lágrima. Tem gente que esteriliza uma agulha e a usa para desbloquear. Só de pensar, tremo. Dias depois surge uma bolha no mamilo direito. Esterilizo a agulha, encosto e o peito chora leite. Penso que agora o caminho está livre. Que nada. Só mamando para passar. Quando chega perto do momento de mamar, arrepio. Em algumas vezes a dor nem é tão forte quanto minha imaginação fantasia. Troco posições, tomo coragem e então seguimos.

3º mês: Mamadas mais curtas. Sugadas mais fortes. Bebê mais ágil. Mamãe mais frágil. Ductos ainda bloqueados e um dia de muita dor. Insuportável. Depois de uma conversa com nossa parteira do coração Larissa Grandi, o diagnóstico: Síndrome de Raynaud. “Quê?” Sensibilidade ao frio? Sim. Fincadas no mamilo? Sim. Mudança de coloração: branco, roxo, rosado? Sim. Dor após as mamadas? Sim, durante duas horas. Minha “dor na teta” passa a ter nome e sobrenome. Leio tudo sobre o assunto. Manejo. Aquecer após as mamadas, compressa morna, cortar cafeína. Dor em todas as mamadas. Crise de dor em algumas, na madrugada. Banho quente relaxa e alivia. Com o apoio da nossa amada Maristela Sens, tentamos suplementos de vitamina B6, cálcio e magnésio em alta dosagem. Há uma luz no fim do túnel. Sempre bem amparada, sigo.

4º mês: Celebro parando de cronometrar e tiro um peso das costas. Sentir-se livre, era isso! Agora vai. Tentativas do manejo da dor com vitaminas e suplementos não estavam funcionando. E um dia, muita dor, uma dor diferente, muito forte. Mama vermelha. Mastite. Por sorte, não evoluiu. Santa calêndula! Síndrome de Raynaud continua. Mas, tomando um remédio vasodilatador, há de melhorar rápido. É o que dizem… Antes de “me render” ao medicamento, aceito ajuda. Reiki com a Nira Pomar, homeopatia da tintura da placenta com a Marcela Flueti, floral e terapia com a Nadir Azibeiro… Enfim, uma esperança. Tudo novidade para mim. Mas se depois do parto a gente renasce, aceito e me entrego para essa nova vida. Vivendo com ela, com a dor, com a crise de dor, tentando relaxar, entender e até aceitar. Olhando para dentro de mim. Tomo o vasodilatador com medo. Muito choro. Muita dúvida. Muito intenso. Mas, muito bem amparada, sigo.

5º mês: Um dia acordo sem dor. “Maris, não tive dor na madrugada!” – anuncio precipitadamente. A tarde ela voltou. É… Agora vem sem hora marcada! Às vezes não vem. A cada mamada, uma expectativa. Será que vai doer dessa vez? Será que vai ser forte ou suportável? Será que dói quando mama muito e o peito esvazia demais? Ou quando mama pouco? Por que a dor vem e vai? Muitas perguntas sem respostas. Consulto um mastologista. “É raro, vou ter que estudar. Normalmente esses casos não chegam aqui porque as mulheres desistem de amamentar antes. Mas pelo visto esse não é o seu caso, né?”. Não é mesmo… Por agora houve apenas um aumento na dose do vasodilatador e na fé. Enquanto isso, busco um refúgio, um suspiro, um alívio, uma esperança nos florais, nas deusas, no âmbar, na argiloterapia, no chá de erva baleeira e, quem sabe, em uma benzedeira. Vai que o caso é de embruxamento?

Hoje, mais uma vez, decido seguir. Já dizia meu avô: “O que arde, cura. O que aperta, segura”.

Sim. Ela mama SÓ no peito. E o peito pulsa.

Leite Materno

Sente eterno
corte interno
desde o inverno.
Por ti, menina,
do céu ao inferno.
Dói te nutrir
Sigo a sorrir
Suga que é teu
Sobre meus braços
adormeceu…
Sonho amanhã
Santa Bárbara, Iansã
Santo sustento
sai sem rasgar
Epa Hei, Oyá!

6º mês: Com a chegada do clima mais quente, fico na expectativa de que a dor da Síndrome de Raynaud irá diminuir. Em breve começaremos a introdução alimentar e novos desafios hão de chegar. Quem sabe mudando o foco melhore. Fim de ano com a família, longe de casa, tomando o vasodilatador e os florais.

“E se eu precisar ir tomar banho no meio da madrugada pra aliviar a dor? E se me virem chorando? Que fazer? Não quero explicar o que tenho… Não quero ficar me justificando”.

De repente, parei de sentir dor. Depois da viagem, volto pra casa sem dor.

“Será que foi por causa da dose mais alta do remédio? Será que foram os florais? Relaxa… Deve ter sido tudo”.

Com tranquilidade, iniciamos a introdução alimentar com muita bagunça e pouca ingestão de alimentos (óbvio). Amamentar é a principal fonte de nutrição. Amamentar passou a não doer.

7º mês: Finalmente, uma trégua! Achava que iria sentir prazer ao amamentar. Mas não sinto. Apesar de não sentir dor, para mim dar o peito é algo que faço o tempo todo, mecanicamente, para suprir várias necessidades da minha filha. Várias.

8º mês: Tudo caminhando bem até que, em uma viagem a trabalho e visita aos familiares, aparece uma mastite! Fora de casa, tendo que ministrar oficinas, fazer apresentações, com o dedo do pé quebrado, uma filha (muito querida) acompanhando essa (falta de) rotina, com preocupações e culpas que toda mãe sente. Por sorte tenho uma sogra que compreende bem essas coisas e não questionou quando pedi folhas de repolho geladas para colocar no peito. Muita massagem. Muito mamá. Com certeza minha filha sentiu que precisava esvaziar meu peito e naquele dia e, mais ainda na madrugada, mamou muito. Incrível. Emocionante. No dia seguinte não tinha mais dor. Passados uns dias, na viagem de volta para casa, aparece uma bolha no meu outro mamilo. “Qué isso!?”. Que dor! No meio da viagem de mais de seis horas, sem ter o que fazer, com a filha chorando, inquieta na cadeirinha… Muitas paradas no meio do caminho. O pai colocando o pezinho dela na grama para desestressar. Eu dentro do carro, chorando de dor, raiva, cansaço. Quanto mais ela mamava, mais a bolha aumentava. Chegando em casa, estourei como se fosse um ducto bloqueado de novo, apesar de não parecer que era. “Vai passar…”.

9º mês: Mais uma trégua! Sem dores, sigo amamentando. Desde os seis meses fazendo cama compartilhada, as noites têm sido tranquilas. Se acorda, mama e dorme. E eu também. De dia, mama quando quer. Que bom poder, de fato, praticar a livre demanda!

10º mês: Quando me perguntam como está a amamentação, tenho até receio de falar que está bem com medo que, do nada, volte a doer. Minhas tetas passam a ser as melhores amigas da minha filha!

11º mês“Como as mães têm coragem de desmamar? Pra quê desmamar a noite? Eu, hein… Agora que está tudo bem vou amamentar toda hora até ela não querer mais!”.

12º mês: “Amamentar toda hora”. Mas literalmente? Noites difíceis… O primeiro ano chega abrindo a cortina do quarto e deixando os raios de sol entrarem sem pedir licença lá no fundo da retina. Muitos sentimentos à flor da pele. Depois de tanto esforço para amamentar, perceber que sua filha não precisa do peito para resolver todas as questões complexas da sua (pequena-grande) vida é muito, muito difícil. Em meio a isso tudo, muitas transformações acontecem diariamente mas que com o amor e companheirismo de uma vida do Sig e com a sempre presente (desde antes, desde os pródromos!) Marcela, consigo ter mais clareza da vida.

Você pode ser uma mãe que, por falta de apoio e informação não conseguiu amamentar.  Você pode ser uma mãe que com apoio, informação e coragem conseguiu. Mas você não é uma mãe que aprendeu a não amamentar. Eu não sou uma mãe que aprendeu a não amamentar. Mas estou aprendendo. Porque nem tudo se resolve oferecendo o peito. Com informação, coragem e observação, sigo amamentando. E sigo dividindo as dores e as conquistas da maternidade com uma rede que aumentou e pescou um peixão de nome Cris Da Ros. Porque ser mãe e ser mulher é muito mais difícil do que eu jamais pensei. E é muito mais lindo também.

Sim. Luana AINDA mama no peito. E o peito AINDA pulsa.