O site Cientista Que Virou Mãe foi criado em 2010 pela cientista Ligia Moreiras como um blog para compartilhar material científico e descobertas referentes à maternidade, à infância e à vida das mulheres que se tornam mães. Em 2015, a engenheira agrônoma e mãe Nani Feuser, se juntou a Ligia Moreiras e, juntas, transformaram o site na primeira plataforma brasileira de informação independente produzida exclusivamente por mulheres mães e financiada coletivamente. Pela ideia inovadora e de grande impacto social, a Plataforma Cientista Que Virou Mãe venceu o Prêmio Social Good Brasil Lab 2015. Em 2016, foi contemplado com o Edital Sinapse da Inovação no Estado de Santa Catarina. Isso tornou possível que, durante 3 anos, mais de 40 produtoras de conteúdo, entre cientistas, jornalistas e demais escritoras, todas mães, produzissem informação sobre a vida das mulheres e das criança por meio de financiamento coletivo e apoio do Instituto Alana.

Em 2019, o site voltou a ter o trabalho de Ligia Moreiras como foco principal, na produção de conteúdo digital, livros, cursos e palestras online e por todo o Brasil.