Categoria: Mulheres

TEXTOS

Por que mapear seu ciclo menstrual é importante?

Você sabia que se nós, mulheres com útero e que menstruam, pudéssemos reunir todos os dias em que estamos menstruadas passaríamos cerca de 6 anos e meio vivendo a menstruação? Seriam 6 anos e meio sangrando todos os dias. Seis anos e meio de nossas vidas. Assim, pergunto: dá para, simplesmente, abrir mão de 6 anos e meio? Dá para amaldiçoar 6 anos e meio das nossas vidas? Não dá… Isso significa que temos que agradecer e gostar e endeusar esses dias? Também não, afinal de contas cada uma sabe como a menstruação é para si e romantizar e padronizar essa vivência também é uma forma de opressão. Cada uma de nós tem uma história e vivências as mais diversas, e toda forma de padronização exclui humanidades. Então, o que podemos fazer para lidar melhor com nossos períodos? Duas coisas, ao mínimo: 1) Compreendê-los verdadeiramente e ao seu significado, bem como as construções que fizemos sobre nossa menstruação ao longo de nossa história, e 2) Aprender a lidar com eles. Não apenas com os dias de sangramento, mas com o ciclo de maneira geral.

consulte Mais informação

Aleitamento materno, COVID-19 e mudanças climáticas: como se relacionam?

o foco desta discussão sobre como a promoção do aleitamento materno pode frear as mudanças ambientais e climáticas não somos nós, as mulheres, com o suposto “dever” de amamentar. O foco é todo o nosso entorno, para que se conscientize, se prepare, se adapte, se politize e se engaje para promover essa atividade. E é também por isso que as principais organizações sociais, políticas e de saúde no mundo afirmam: investir no fortalecimento e no empoderamento das mulheres, incentivar que elas ocupem a dimensão política, garantir a elas o acesso à saúde, educação e reduzir a pobreza associada à desigualdade de gênero é uma das principais medidas para frear as mudanças climáticas. E o que é a promoção do aleitamento materno além de tudo isso?

consulte Mais informação

Maternidade, sociedade e o desejo de normalidade: um debate necessário

O preço do nosso passeio pelas ruas e dos nossos fartos abraços sem máscara é alto para quem não tem esse direito na dita normalidade. Para muitos e muitas de nós, esse isolamento social não é novidade justamente em função da normalidade pela qual tantos de nós clamamos. Quem aceitamos deixar para trás quando desejamos que o “normal” retorne? É preciso pensar sobre isso. Ainda que não seja confortável.

consulte Mais informação

Pode chorar, mãe. Tem que chorar. Você me ensinou

Eu não educo essa garota. Vocês não educam os filhos de vocês. Nós nos educamos, mediatizados pelo mundo. E citar Paulo Freire em meio a tudo isso me torna mais calma. Talvez seja isso… Ter referências sólidas nos dão discernimento para passar por isso. E ensina as crianças a fazerem o mesmo.

consulte Mais informação
Carregando

NOVO LIVRO

Temas